Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Reflexão’ Category

Um livro simples e objectivo que aborda elementos muito específicos e actuais referentes à liturgia. Enfatiza temas referentes ao “espírito” da liturgia, como a atitude necessária para se celebrar e o significado da adoração eucarística. Procura ainda explicar algumas acções litúrgicas reintroduzidas pelo Papa Bento XVI, como a cruz no altar e a comunhão de joelhos. Um excelente subsídio de actualização e aprofundamento para os que se interessam por liturgia, sejam leigos ou clérigos.
Autor: Guido Marini
N.º Páginas: 64
Edição: 
ISBN: 9789723015478
Dimensões: 11 x 20                                                                                                                                                                                                                         Editora Paulus

Aqui, a título de divulgação, disponibilizamos a Introdução que precede os seis pequenos capítulos em que aborda:

  1. A sagrada liturgia, um grande dom de Deus à Igreja
  2. A orientação da oração litúrgica
  3. A adoração e a união com Deus
  4. A participação activa
  5. Silêncio e canto para orar melhor
  6. A música sacra ou litúrgica

Introdução ao Livro

Com esta reflexão, proponho-me tratar alguns temas concernentes ao espírito da liturgia. Proponho-me muito, apetecia-me dizer: muitíssimo. Não apenas porque falar do espírito da liturgia é tarefa empenhada e complexa, mas também porque, sobre este tema, houve obras importantíssimas de autores de indubitável e altíssimo valor litúrgico e teológico. Penso em apenas dois exemplos, entre outros: Romano Guardini e Joseph Ratzinger.

Por outro lado, é verdade que falar hoje do espírito da liturgia é sobremaneira necessário, sobretudo entre os sacerdotes. Também porque é urgente reafirmar o “autêntico” espírito da liturgia, tal como está presente na ininterrupta Tradição da Igreja e testemunhado na continuidade com o passado, no magistério mais recente: a partir do Concílio Vaticano II até Bento XVI.

Escrevi “continuidade”: é uma palavra querida ao actual Pontífice que, com autoridade, fez dela o critério para a única interpretação correcta da vida da Igreja e, de modo especial, dos documentos conciliares, como também dos propósitos de reforma a todo o nível neles contidos. E não podia ser de outro modo. Pode-se porventura imaginar uma Igreja de antes e uma Igreja do depois, como se tivesse produzido uma secessão na história do corpo eclesial? Ou pode-se porventura afirmar que a esposa de Cristo tenha entrado, no passado, num tempo histórico no qual o Espírito não a tenha assistido, de modo que este tempo deva ser quase esquecido ou cancelado?

Todavia, por vezes alguns dão a impressão de aderir àquela que é justo definir como uma autêntica ideologia, ou seja, uma ideia preconcebida e aplicada à História da Igreja e que não tem nada que ver com a fé autêntica.

Fruto dessa ideologia desviante é, por exemplo, a recorrente distinção entre a Igreja pré-conciliar e Igreja pós-conciliar. Uma tal linguagem pode até ser legítima, mas com a condição de não se entender com isso duas Igrejas: uma – pré-conciliar – que não teria mais nada a dizer ou a dar, porque irremediavelmente ultrapassada, a outra – a pós-conciliar – que seria uma realidade nova saída do Concílio e de um seu presumível espírito, em ruptura com o seu passado. Este modo de falar e, mais ainda, de “sentir” não deve ser o nosso. Além de ser erróneo, está ultrapassado e datado, talvez historicamente compreensível, mas ligado a uma estação eclesial já concluída.

O que se afirmou até agora a propósito de “continuidade” terá algo que ver com o tema que estamos a desenvolver? Evidentemente que sim. Porque não poderá haver espírito autêntico da liturgia se não nos abeirarmos da mesma com ânimo sereno, não polémico em relação ao passado, quer remoto quer recente. A liturgia não pode nem deve ser terreno de reencontro entre quem encontra o bem só naquilo que está antes de nós e quem, pelo contrário, naquilo que está antes encontra quase sempre o mal. Só a disposição para encarar o presente e o passado da liturgia da Igreja como um património único e em desenvolvimento homogéneo nos pode levar a perceber, com alegria e com gosto espiritual, o autêntico espírito da liturgia. Um espírito que não é fruto das nossas invenções. Um espírito, acrescento, que nos leva ao essencial da liturgia, ou seja, à oração inspirada e guiada pelo Espírito Santo, em que Cristo se continua a tornar nosso contemporâneo, a fazer irrupção na nossa vida. Na verdade, o espírito da liturgia é a liturgia do Espírito.

A respeito do tema proposto, não pretendo ser exaustivo. Não pretendo tão-pouco tratar todos os temas que seria útil tratar para se obter uma panorâmica complexa da questão. Limito-me a considerar alguns aspectos da essência da liturgia, com referência específica à celebração eucarística, tal como a Igreja no-los apresenta e como aprendi a aprofundá-los nestes quatro anos de serviço junto a Bento XVI: um verdadeiro mestre do espírito litúrgico, quer pelo seu ensinamento, quer pelo exemplo do seu celebrar.

E se, ao considerar alguns aspectos da essência da liturgia, der comigo a referir algum comportamento que acho não estar em sintonia com o autêntico espírito litúrgico, fá-lo-ei simplesmente para oferecer um pequeno contributo a fim de que tal espírito possa sobressair ainda mais em toda a sua beleza.

Read Full Post »

Nestes dias, em que perfaz um ano sobre a visita do Sumo Pontífice a Terras de Santa Maria, é oportuno continuarmos a rezar pela fecundidade do seu ministério e pelos frutos, em nós e no nosso país, da sua visita apostólica. Reler e meditar as palavras que nos dirigiu seguramente nos ajudará a pôr em prática as exigências da fé que ele nos veio confirmar. (aqui os vídeos)

Read Full Post »

Em entrevista à EWTN o Padre Scott Haynes, SJC fala sobre a implementação do Motu Proprio Summorum Pontificum Cura.

Read Full Post »

CARDENAL PIACENZA: EL CELIBATO SACERDOTAL SEGÚN BENEDICTO XVI (VI)

Intervención en un Encuentro sacerdotal en Ars

ARS, miércoles 2 de febrero de 2011 (ZENIT.org).- Ofrecemos la sexta entrega de la intervención del cardenal Mauro Piacenza, prefecto de la Congregación para el Clero, pronunciada el pasado lunes 24 de enero en las Jornadas Sacerdotales celebradas en Ars (Francia) sobre el celibato sacerdotal. La anterior se publicó en el servicio del martes 1 de febrero, y la próxima y última lo será el jueves 3 de febrero.

La intervención del cardenal Piacenza, realizada desde Roma en conexión en directo con el encuentro, lleva por título: “El celibato sacerdotal: fundamentos, alegrías, desafíos… Las enseñanzas del Papa sobre el tema: de Pío XI a Benedicto XVI”.

* * * * *

6. Benedicto XVI y la Sacramentum Caritatis

El último Pontífice que examinamos es el felizmente reinante, Benedicto XVI, cuyo Magisterio inicial sobre el celibato sacerdotal no deja ninguna duda, sea sobre la perenne validez de la norma disciplinar, sea, sobre todo e incluso con anterioridad, sobre su fundación teológica y particularmente cristológico-eucarística. (mais…)

Read Full Post »

Intervista al Prefetto della Congregazione per il Clero, Mauro Cardinale Piacenza: rinnovamento del sacerdozio; collaborazione tra fedeli laici e clero; crisi delle vocazioni, l’essenza dell’arte sacra e della liturgia. Di Armin Schwibach

Roma (kath.net/as) Il sacerdozio non deve essere “normalizzato” secondo le rivendicazioni di una “demitizzazione”, ma deve essere riscoperto nella sua origine divina. 

Così afferma il Prefetto della Congregazione per il Clero, S. Em. R. Mauro Cardinale Piacenza, sottolineando al contempo l’importanza di una liturgia “cristocentrica” per una nuova evangelizzazione dei paesi d’occidente. Dopo la notte del calo delle vocazioni sacerdotali, il cardinale vede l’alba di un nuovo tempo, che però necessita principalmente della preghiera – e in particolare dell’adorazione eucaristica – per giungere alla piena luce del giorno.

Nell’intervista esclusiva, generosamente concessa a Kath.net, il Cardinale Piacenza si occupa del sacerdote come “segno di contraddizione” e mette in risalto il particolare mandato dell’arte sacra come via di preghiera verso Dio.

Kath.net: Con il Suo libro “Il sigillo – Cristo fonte dell’identità del prete”, pubblicato nel 2010, Lei ha richiamato alla memoria l’identità del sacerdozio, dichiarando che qualunque discorso su una “nuova evangelizzazione”, traguardo principale della Chiesa, resta vano se non si fonda sul rinnovamento spirituale del sacerdote.

Concretamente, come potrebbe configurarsi il rinnovamento del sacerdozio? Che cosa significa che il sacerdote è “segno di contraddizione” nella società odierna, come Lei disse una volta? Da cosa deve partire la Chiesa e, in particolare, come dovrebbero intervenire i responsabili dei seminari? (mais…)

Read Full Post »

CARDENAL PIACENZA: EL CELIBATO SACERDOTAL SEGÚN JUAN XXIII (III)

Intervención en un Encuentro sacerdotal en Ars

ARS, domingo 30 de enero de 2011 (ZENIT.org).- Ofrecemos la tercera entrega de la intervención del cardenal Mauro Piacenza, prefecto de la Congregación para el Clero, pronunciada el pasado lunes 24 de enero en las Jornadas Sacerdotales celebradas en Ars (Francia) sobre el celibato sacerdotal. La anterior se publicó en el servicio del viernes 28 de enero, y la próxima lo será el lunes 31 de enero.

La intervención del cardenal Piacenza, realizada desde Roma en conexión en directo con el encuentro, lleva por título: “El celibato sacerdotal: fundamentos, alegrías, desafíos… Las enseñanzas del Papa sobre el tema: de Pío XI a Benedicto XVI”.

* * * * *

3. Juan XXIII y la Encíclica Sacerdotii nostri primordia

El beato Juan XXIII dedicó, como bien sabéis, otra encíclica al santo Cura de Ars, en el primer centenario de su nacimiento al Cielo. En ella, los temas fundamentales de la virginidad y del celibato por el Reino de los Cielos, desarrollados por el Pontífice Pío XI y, sobre todos, por el Papa Pío XII, son recibidos por Juan XXIII y como progresivamente declinados en la figura ejemplar de san Juan María Vianney, que él presenta como quintaesencia del Sacerdocio católico. (mais…)

Read Full Post »

 

Apresentação da Carta Circular da Congregação para o Clero

“A identidade missionária do Presbítero na Igreja

como dimensão intrínseca do exercício dos tria munera

do

Cardeal  Mauro Piacenza

Prefeito

 

 

É com grande satisfação que a Congregação para o Clero oferece a Carta Circular “A identidade missionária do Presbítero na Igreja como dimensão intrínseca do exercício dos tria munera”, que representa um dos frutos da última Assembléia Plenária realizada em março de 2009.

Como indispensável premissa ao texto considerou-se oportuno propor a Alocução do Santo Padre aos participantes da Plenária, do dia 16 de março de 2009. Nela é possível encontrar as diretrizes fundamentais para a interpretação da Carta Circular, marcada pela teologia “beneditiana”, e as referências irrenunciáveis para o trabalho da Congregação para o Clero, sobretudo em algumas questões atuais de crucial importância para a vida da Igreja. (mais…)

Read Full Post »

Older Posts »